Sábado, 15 de Junho de 2024
Território Evento

Protagonismo juvenil e justiça climática: II edição do Festival Piracaião na aldeia de Suruacá

A II Edição do Festival Piracaião reuniu cerca de 280 pessoas e debateu a valorização da cultura local e justiça climática.

26/09/2023 às 14h54 Atualizada em 26/09/2023 às 16h04
Por: Damilly Yared Fonte: Tapajós de Fato
Compartilhe:
Foto: Tapajós de Fato
Foto: Tapajós de Fato

Durante os dias 23 e 24 de setembro, aconteceu na comunidade/aldeia de Suruacá, território Kumaruara, a II edição do Festival Piracaião, que reuniu cerca de 280 pessoas entre povos originários e comunidades tradicionais, superando a expectativa da organização do evento que era de 150 pessoas.

 

O festival é organizado pelo coletivo Jovens Tapajônicos, com apoio da secretaria de juventude da Tapajoara e do Departamento de Jovens do CITA [Conselho Indígena Tapajós e Arapiuns] com o objetivo de engajar a juventude, principalmente, sobre a pauta de justiça climática, além de auxiliar os jovens participantes no processo de formação crítica e política sobre o território.

 

A programação do II Festival Piracaião abordou temas como a valorização da cultura local e dos territórios dos povos originários, além de debater as pautas ambientais, importantes para a região do Tapajós.


O Tapajós de Fato conversou com Walter Kumaruara da Reserva Extrativista Tapajós-Arapiuns [RESEX] - Comunidade de Pedra Branca, aldeia Vista Alegre. Walter é fundador e coordenador do coletivo Jovens Tapajônicos e falou sobre a importância da realização da segunda edição do festival.

 

Foto: Tapajós de Fato

 

Para o fundador e coordenador do grupo, o festival pretendeu fortalecer as juventudes e as lideranças do território, além de trazer muitas informações a respeito das mudanças climáticas para dentro do meio amazônida, especialmente, direcionadas à juventude, com o objetivo de fazê-la entender qual o seu papel, tanto no sentido de defesa do território, quanto de se ver como parte integrante, constituinte desse espaço, pois o jovem ativista deve compreender o território como um espaço importante para fortalecer a sua identidade enquanto povo amazônida, como espaço de luta e de resistência.

 

Foto: Tapajós de Fato

 

Walter Kumaruara ressalta ainda que o papel do coletivo Jovens Tapajônicos é também vencer as barreiras dos preconceitos impostos à juventude. Ele entende que a juventude quer sim fazer alguma coisa e que precisa de oportunidades para mostrar seu valor. Isso foi o que aconteceu na segunda edição do festival, em que a participação dos jovens foi expressiva, o que conferiu ao evento a vivacidade e garantiu que valores importantes sobre território e sobre questões climáticas chegassem à geração juvenil da aldeia de suruacá. 

 

Outro ponto levantado pelo jovem ativista foi sobre a construção do festival. De acordo com Walter, “antes de fazer o festival que vem com o tema de justiça climática, a gente fez uma pesquisa, para ver como as mulheres entendiam a crise climática. E a gente viu que não entendiam, mas queriam entender. A partir da pesquisa, a gente entendeu qual é a necessidade desse território, dessas pessoas, de entenderem sobre o tema e, a partir daí, fazer elas entenderem o que está acontecendo dentro do nosso território”.

 

A pesquisa foi o ponto de partida para fazer com que a juventude buscasse, através do festival, entender o tema, especificamente, sobre as mudanças climáticas no território e como elas estão afetando as pessoas.

 

Para o jovem ativista, é a partir do debate da crise climática feito no território que é possível fazer a nova geração correlacionar que “o que está acontecendo dentro do nosso território é crise climática, no momento que secam lagos, no momento que diminui o pescado dentro das comunidades, isso implica na alimentação das crianças, dos jovens e, tudo isso, é crise climática, por isso, a gente está aqui para botar na cabeça deles, que o que a gente está passando não é um problema lá fora, é um problema nosso também”.

 

Foto: Tapajós de Fato

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.