Sábado, 15 de Junho de 2024
Reportagem Especial Celebração

STTR de Santarém, 50 anos de luta e resistência

STTR completa 50 anos de luta e resistência em favor dos trabalhadores do campo, em defesa da floresta e em prol da reforma agrária.

04/12/2023 às 13h52 Atualizada em 10/02/2024 às 00h50
Por: Tapajós de Fato Fonte: Tapajós de Fato
Compartilhe:
Maria Ivete Bastos, Trabalhadora rural, presidenta do STTR de Santarém - Símbolo da luta em dos trabalhadores e trabalhadoras rurais na Amazônia. Foto: Damilly Yared
Maria Ivete Bastos, Trabalhadora rural, presidenta do STTR de Santarém - Símbolo da luta em dos trabalhadores e trabalhadoras rurais na Amazônia. Foto: Damilly Yared

O STTR foi criado em Santarém em 1973, com o nome de Sindicato dos Trabalhadores Rurais (STR). Teve como primeiro presidente o senhor Geraldo Henrique de Araújo, que permaneceu no cargo até 1977. Sua primeira sede foi no município de Mojuí dos Campos, pois o presidente morava lá. Todo segundo domingo de cada mês era realizada uma assembleia.

 

Com 50 anos de luta em Santarém, o sindicato não apenas atua na defesa protocolar de demandas dos trabalhadores da classe rural, mas também na luta diária pela floresta em pé, na luta das mulheres do campo, na luta pelo bem viver, pela manutenção dos modos tradicionais de vida e pela reforma agrária.

 

Um dos marcos da luta pelo território e pelos direitos daqueles que moram no território, é a campanha “Não Abra Mão da Sua Terra”, que aconteceu na região do PAE Lago Grande com intuito de sensibilizar os moradores do territórios quanto à ameaça de venda de terras que permitiriam a entrada de grandes projetos na região, o que, possivelmente, destruiria o bem viver coletivo do assentamento.

Campanha Não Abra mão da Sua Terra na região do Arapiuns - PAE Lago Grande. Foto: João Serra/Tapajós de Fato.

Diante de tantas lutas enfrentadas, não podemos esquecer que esse sindicato, que representa a luta e a resistência do campo, tem suas lideranças ameaçadas diariamente, a exemplo de sua atual presidente Ivete Bastos, que, neste ano, foi mais uma vez alvo de ameaças de madeireiros que tentam invadir os territórios.

No ano de 2021, por exemplo, grupos ligados a madeireiros invadiram a sede do sindicato em Santarém e ameaçaram suas lideranças, após denúncias feitas desde 2017 sobre a exploração ilegal de madeira na Resex Tapajós-Arapiuns.

 

Foto: Leonardo Milano / Invasão da sede do STTR - SANTARÉM

O STTR é um sindicato repleto de narrativas de enfrentamentos e de resistência, são histórias que inspiram a luta de outras organizações, como a de Ivete Bastos e a de Luiza Fati que representam a força das mulheres do campo, mulheres que estiveram e estão à frente do Sindicato.

Foi em contato com essas histórias que, no ano de 2019, na sede do STTR, após um encontro de comunicadores populares, que o Tapajós de Fato surgiu. Por isso, agradecemos e desejamos vida longa ao Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras, Agricultores e Agricultoras Rurais de Santarém, que planta diversas sementes de luta e de resistência por onde atua, e que pensa na construção de um futuro digno, coletivo e com garantia de direitos aos trabalhadores do campo.

 

O TdF parabeniza o STTR pelos seus 50 anos e reafirma o compromisso e a parceria na luta em defesa dos povos, das águas e das floresta

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.