Sábado, 15 de Junho de 2024
Reportagem Especial Juventude

Comunicação para adiar o fim do mundo: jovens comunicadores indígenas compartilham histórias de dedicação à causa socioambiental e aos saberes dos povos originários

“Quem acompanhou o primeiro ATL, em 2004, sabe o quanto a nossa comunicação era limitada, tanto em relação a equipamento, quanto em relação ao número de pessoas. Por isso, ver tantos jovens atuando hoje nessa área é uma felicidade enorme. Isso fortalece demais a nossa luta. E esse é o caminho que acredito, usar os meios de comunicação para fortalecer a nossa luta e entender a comunicação indígena como uma missão, pois, é assim que ela deve ser compreendida”, destaca Alexandre Pankararu.

19/04/2024 às 12h09
Por: Tapajós de Fato Fonte: Carta Amazônia
Compartilhe:
 Comunicação para adiar o fim do mundo: jovens comunicadores indígenas compartilham histórias de dedicação à causa socioambiental e aos saberes dos povos originários

Samuel Arara

Nailson Almeida

Itocovoty Pataxó Hã-hã-hãe

Criado em 2004, a partir de uma ocupação realizada por povos indígenas do sul do Brasil, em frente ao prédio do Ministério da Justiça, na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, o Acampamento Terra Livre é um divisor de águas na mobilização política dos povos originários do país. Segundo a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB), o ATL é a maior assembleia dos povos e organizações indígenas do território nacional.

 O evento ocorre tradicionalmente no mês de abril, em Brasília, e costuma reunir milhares de participantes das mais diversas etnias do país para reivindicar por justiça e direitos dos povos originários. Em duas décadas de história, o ATL fortaleceu as iniciativas de organização e mobilização indígenas já existentes no país como a Coordenação das Organizações indígenas da Amazônia Brasileira (COIAB) e a Articulação dos Povos e Organizações Indígenas do Nordeste e Minas Gerais (APOINME), que estiveram à frente da primeira edição. Além disso, ajudou a criar novas entidades como a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB), principal organização social dos povos originários do país.

É nesse contexto, de busca por direitos, defesa do território e afirmação da pluralidade das culturas indígenas, que diversas iniciativas de comunicação protagonizadas por povos tradicionais e surgidas a partir do Acampamento Terra Livre ou inspirada pela organização do evento, têm criado importantes espaços de posicionamentos políticos e de resistência à mídia tradicional.

“Quem acompanhou o primeiro ATL, em 2004, sabe o quanto a nossa comunicação era limitada, tanto em relação a equipamento, quanto em relação ao número de pessoas. Por isso, ver tantos jovens atuando hoje nessa área é uma felicidade enorme. Isso fortalece demais a nossa luta. E esse é o caminho que acredito, usar os meios de comunicação para fortalecer a nossa luta e entender a comunicação indígena como uma missão, pois, é assim que ela deve ser compreendida”, destaca Alexandre Pankararu, comunicador social da APOINME e um dos pioneiros em produção de comunicação indígena no Brasil.

 No Brasil há uma série de iniciativas nesse segmento, que além de reverberar as notícias das aldeias e Territórios Indígenas pelo ambiente virtual, também compartilham saberes, reflexões e demandas das comunidades tradicionais. Um desses exemplos é a rede Tetepawa comunica, uma plataforma que busca amplificar as vozes dos povos indígenas do estado do Acre.

 Samuel Arara, 23 anos, do povo Shawãdawa-arara, da Terra Indígena Arara, no Acre, é um dos idealizadores da rede Tetepawa. Para ele, a comunicação indígena é muito mais que um meio de informação sobre os povos originários, é uma missão em defesa da floresta e do modo de vida das comunidades tradicionais.

 “Desde minha infância, absorvi dos ancestrais a importância de proteger e preservar a natureza, desenvolvendo uma profunda conexão com a terra e a cultura. Minha jornada acadêmica foi marcada por desafios, como a adaptação à vida na cidade e a conciliação dos estudos com as responsabilidades na aldeia. Contudo, minha paixão pelo meio ambiente e pela conservação florestal é minha motivação constante”, afirma o jovem comunicador.

Estudante do curso de Engenharia Florestal na Universidade Federal do Acre (UFAC), Samuel defende uma ciência comprometida com a causa ambiental. “Participei de pesquisas científicas sobre a biodiversidade amazônica e envolvi-me em projetos de manejo sustentável na comunidade, integrando saberes tradicionais com práticas contemporâneas. Além dos estudos, tornei-me defensor ativo dos direitos indígenas e da preservação da Amazônia. Levo minha voz e conhecimento a fóruns nacionais, e acredito que a engenharia florestal pode ser uma ferramenta poderosa para promover a conservação e o uso sustentável dos recursos naturais”.

 Há quatros atuando com comunicação indígena, ele revela que sua história reflete a sinergia entre educação, cultura e compromisso em prol da preservação ambiental e da valorização das comunidades indígenas. “Estou determinado a contribuir para um futuro mais justo e sustentável para meu povo e para a floresta que tanto amo”

 Para o comunicador Arara, os principais desafios de seu território são a falta de políticas públicas efetivas que garantam educação de qualidade, atendimento à saúde e gestão territorial. “Em relação à gestão territorial os desafios envolvem a ausência de fiscalização dos órgãos federais, a exploração de madeira por não indígena, caça e pesca ilegal por não indígena dentro do território, política interna e ideológica dividem as aldeias e comunidades, catequização pelas igrejas evangélicas dentro do território e outros fatores externos que corroboram para uma desestabilidade cultural e identitária do povos”.

 A luta em defesa da floresta e dos povos tradicionais também é o que move o comunicador Nailson Silva de Almeida, 35, do povo Wapichana, residente na comunidade indígena Tabalascada, região Serra da Lua, em Roraima. Desde 2019 ele atua como comunicador da Rede Wakywaa, do Conselho Indígena de Roraima (CIR). Em 2023 passou a integrar a rede de comunicadores da Coordenação das Organizações Indígenas de Amazônia Brasileira (Coiab).

 Estudante de jornalismo na Universidade Federal de Roraima (UFRR), Nailson afirma que começou a atuar como comunicador indígena com o objetivo de divulgar as informações sobre o seu povo que costumam ser ignoradas pelas mídia tradicional.

 “Desde muito jovem atuo como comunicador, mas somente em 2019 isso ganhou mais força com a criação a rede de comunicadores Indígenas do CIR. O meu papel é contribuir para a que as informações sobre o meu povo e o meu territorio  sejam divulgadas com verdade e responsabilidade, já que geralmente as mídias não indígenas soltam muitas informações inverídicas ou informações distorcidas sobre os povos indígenas”, conta Nailson.

“Antes, as lideranças indígenas não consideravam a comunicação uma ferramenta muito importante. Mas ao longo do tempo, foram observando os trabalhos desenvolvidos pelos comunicadores e hoje a comunicação indígena tem total reconhecimento e apoio dessas lideranças dentro dos territórios. As lideranças viram essa necessidade de formar uma rede de comunicação”, destaca.

 Estudante de Jornalismo da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), Itocovoty Pataxó Hã-hã-hãe, 23 anos, também utiliza a comunicação como ferramenta de resistência dos povos tradicionais. Indígena da etnia Kariri-Sapuyá e Terena, residente na aldeia Caramuru Catarina Paraguaçu, no Sul da Bahia, a jovem já soma  diversas experiencias a frente de iniciativas em defesa da preservação e promoção da cultura, língua e tradições dos territórios originários.

Articuladora nacional da organização de lideranças jovens Engajamundo, na Casa Caatinga,  fundadora da Diversidade dos Povos e comunicadora no Movimento Unido dos Povos e Organizações Indígenas da Bahia (MUPOIBA), Itocovoty afirma que a comunicação indígena desempenha um papel fundamental para um mundo mais inclusivo e justo.

“É através da comunicação que podemos compartilhar as nossas perspectivas, conhecimentos tradicionais, desafios e conquistas com o mundo, contribuindo para a conscientização e o entendimento mútuo. Além disso, ela é essencial para promover a autodeterminação dentro das comunidades, capacitando-as a contar nossas próprias histórias é a defender os nossos direitos de forma autêntica”, afirma.

Por uma escrita indígena no jornalismo

 Itocovoty defende que a escrita indígena também esteja presente no jornalismo tradicional. Para ela, essa inclusão é fundamental para garantir a representatividade, a diversidade e a autenticidade das narrativas indígenas na mídia. “Isso envolve não apenas a inclusão de jornalistas indígenas, mas também o reconhecimento e o respeito pela perspectiva, linguagem e valores das comunidades tradicionais . Ao promover a escrita Indígena no jornalismo, as vozes das comunidades indígenas ganham espaço para compartilhar suas histórias, desafios e conquistas de forma autêntica, sem distorções ou estereótipos. Isso contribui para a quebra de preconceitos e para a construção de uma compreensão mais profunda sobre as realidades e culturas dos povos originários”, explica.

A comunicadora também destaca que a presença de uma escrita indígena no jornalismo fortalece ainda mais própria prática jornalística, enriquecendo com o conteúdo com novas perspectivas e diferentes formas de contar histórias. “A diversidade na escrita jornalística é essencial para uma cobertura mais completa e precisa dos acontecimentos, promovendo assim um jornalismo mais inclusivo e responsável. Um passo importante na busca por uma mídia mais justa, equitativa e representativa de todas as vozes da sociedade”, ressalta Itocovoty.

______________________________

Este conteúdo foi produzido por participantes da Escola Carta Amazônia de Jornalismo Socioambiental, iniciativa da agência de comunicação Carta Amazônia, em parceria com a Embaixada dos Estados Unidos, através do programa TechCamp, do Laboratório de Jornalismo Énois, para promover a capacitação profissional sobre a cobertura da pauta socioambiental.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.