Segunda, 21 de Junho de 2021 04:59
093991489267
Empate Amazônia

Invasão na área de captação de água da Nova República

Sociedade denuncia invasão que pode prejudicar o bem viver dos comunitários no bairro Nova República, em Santarém.

24/09/2020 09h27 Atualizada há 9 meses
Por: Tapajós de Fato Fonte: Tapajós de Fato
Fotos da denúncia - Foto Reprodução
Fotos da denúncia - Foto Reprodução

O Portal Tapajós de Fato recebeu informações de uma situação que está ocorrendo na Área de Captação de Água da Nova República, o que foi passado é que estaria havendo uma invasão da área. Na manhã do dia 21 de setembro algumas pessoas foram verificar a situação, e foi constatada a veracidade da informação, esses cidadãos preocupados procuraram se dirigir ao escritório da Concessionária (Cosanpa) no sentido de obter informações de quais providências estariam sendo tomadas sobre a situação. A informação foi que essa situação já havia sido para a direção da Cosanpa em Belém e que se estava aguardando orientações para as ações cabíveis.

A aflição apresentada pelas pessoas se refere a gravidade a que pode chegar a situação caso não se tome as devidas providências em tempo, de acordo com as informações das denúncias deportadas a redação do Tapajós de Fato, os denunciadores que não quiseram se identificar comentaram “Nossa preocupação se dá em função de que a Área em questão é de grande importância para toda uma coletividade, haja vista que toda Grande Área da Nova República e adjacências são abastecidas pelo Sistema de Captação de Água lá existente e com obras em andamento para ampliação de todo Sistema lá está”. Ou seja, o problema pode comprometer toda uma coletividade se realmente não for tomada as devidas providências, a morosidade, o desrespeito a coisa pública e as ações inconsequentes no futuro podem nos trazer efeitos desastrosos.  Estão desmatando a área, promovendo queimadas e chegando próximo ao poço de captação que abastece toda Grande Área da Nova República. Tanto a Concessionária, quanto o poder público deveriam buscar uma solução imediata para a situação.

Foto: Reprodução

Tendo em vista que o cinturão verde é de fundamental importância para o sistema hídrico, o caminho mais curto para a paralisação da invasão seria acionar o Ministério Público para que a justiça determine através de uma liminar a proibição da invasão, até a discussão do mérito, sobre a licitude ou ilicitude da invasão em questão. Assim o próprio Ministério Público determinaria o chamamento ao processo, tanto da Cosanpa, quanto da prefeitura, para a confirmação da propriedade e outras questões.

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.