Segunda, 21 de Junho de 2021 03:45
093991489267
Reportagem Especial Reportagem

"Transformando lixo em luxo": o artesão que ajuda o meio ambiente

Com intuito de ajudar o meio ambiente, Leandro se torna um artesão e tira mais de 5 mil pneus das ruas.

28/09/2020 11h10 Atualizada há 5 meses
Por: Tapajós de Fato Fonte: Tapajós de Fato
Fotos: Arquivo pessoal
Fotos: Arquivo pessoal

Muitas pessoas sonham apenas em ter um emprego estável, se acomodar e viver suas vidas sem problemas, porém existem algumas que não se contentam só com isso, e desenvolvem habilidades vão além do seu ganho pessoal, mas também para ajudar o meio ambiente e o mundo a sua volta. No Município de Belterra, Leandro Farias da Silva é uma desses cidadãos conscientes que tentam fazer o bem da sua maneira. Servidor público, Leandro se descobriu um artista ao acaso e em suas horas fora de serviço, cria lindas artes feitas de Pneu. Em entrevista ao Tapajós de Fato, o artista contou um pouco como se deu tudo isso.

Lado Artesão

Em um de seus dias de descanso, Leandro ouviu de sua esposa um pedido e ao mesmo tempo um desafio, fazer uma prateleira para colocar suas tintas. Com o pedido feito, ele então buscou uma maneira de realizar o que havia sido solicitado “eu fui então pesquisar como fazer uma prateleira pra ela, numa dessas pesquisas eu vi um tutorial de como fazer prateleiras utilizando pneus de moto, foi então que veio a ideia pra eu fazer esta prateleira pra ela guardar as tintas dela, essa foi a primeira peça”. Desde então pegou gosto pela arte e decidiu continuar com a produção “Daí eu gostei muito do que havia feito e fui e busca de mais coisas pra eu fazer, umas ideias vieram da minha cabeça, outras eu vi na internet e eu reproduzi, outras ainda vieram de pedidos de amigos que mandavam imagens e eu as reproduzia no pneu”. E o que começou com a penas um desafio e uma brincadeira, passou a ser um hobby e logo depois se tornou uma atividade bem requisitada por quem o conhecia.

Caracóis feitos de pneu - Fotos: Arquivo pessoal

Se tornando profissional

Após suas artes começarem a fazer sucesso e bastantes pedidos serem feitos, o servidor público, mesmo tendo esse serviço extra apenas para suas horas vagas e por gosto a arte, sentiu a necessidade de abrir uma empresa, a N&L Artes, por conta da grande quantidade de pedidos que recebeu e também com o intuito de formalizar seus serviços. Seus produtos são encomendados não só em sua cidade, mas também nas cidades vizinhas, mesmo com grande dificuldade de locomoção por conta dos altos custos com viagens e fretes. Leandro falou também sobre a primeira grande demanda que teve “infelizmente, os serviços de fretes são bem elevados, não só na nossa região mas também por todo o país, isso dificulta um pouco, mas eu tive uma encomenda da prefeitura de Rurópolis e eles pagaram todos os custos para que os produtos chegassem até lá e também para que eu fosse montar as artes, pois algumas vão separadas”. Esse grande serviço fez com que o trabalho como artesão de Leandro tivesse ainda mais visibilidade a abriu portas para que outras muitas encomendas fossem feitas, o escultor hoje tem serviços para até o final do ano para produzir e entregar.

Peças enviadas ao município de Rurópolis - Foto: Arquivo pessoal

Pandemia

Infelizmente, como muitos outros artesãos, Leandro se sentiu bastante prejudicado com a pandemia e sofreu com o medo da infecção pelo coronavírus, isso fez com que eles parasse de fazer entregas afim preservar sua saúde e de sua família.

Motivação e conscientização

Além do amor a sua arte, Leandro capricha e faz com tanto gosto seus produtos também por outro motivo, diminuir a quantidade de pneus jogados e dar outra imagem para o material que um dia foi visto como lixo e um possível foco de mosquitos transmissores de doenças. Em seus 3 anos de trabalho, ele já recolheu mais de 5 mil pneus jogados, uma quantia muito grande para um material que precisa de cerca de 600 anos para se decompor. Pneus jogados nas ruas além de atraírem transmissores de doenças, são as grandes causas do entupimento de rios e redes de esgotos provocando inundações e a poluição do meio ambiente. Já tendo um emprego, o artesão foi perguntado sobre o que o mais motiva para continuar com esse trabalho e respondeu da seguinte forma “muitas pessoas jogam pneus nas ruas pensando que não prestam mais e acabam prejudicando o meio ambiente elas mesmas, eu gosto de transformar esse lixo em uma forma de luxo, para que esse lixo que foi jogado fora volte para suas casas em forma de arte fazendo com que o meio onde vivemos fique um pouco menos sujo.” E falou também sobre o que pensa das pessoas que não valorizam artes que são de produtos recicláveis “eu gostaria de pedir a essas pessoas que valorizassem mais, porque gastamos nosso tempo e fazemos com muito amor o máximo que podemos  para tirar da rua esses lixos e transformar eles em algo que podemos exibir com beleza e alegria”.

Reprodução da caixa d'água de Belterra - Foto: Arquivo pessoal

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.