Segunda, 21 de Junho de 2021 03:39
093991489267
Gênero e Sexualidade Gênero e Sexualidade

Projeto trabalha o empoderamento econômico de mulheres no Juá

O Clube da Luta Feminina possui 10 participantes beneficiadas com as ações da iniciativa feminista.

08/03/2021 10h50 Atualizada há 3 meses
Por: Tapajós de Fato Fonte: Tapajós de Fato
Projeto trabalha o empoderamento econômico de mulheres no Juá

Nesse dia 8 de março, dia da mulher, muitas homenagens são feitas para reforçar o quão valiosas são todas as mães, irmãs, filhas, amigas, tias, conhecidas, entre outras. Mas infelizmente todo esse apreço e amor parece ser guardado apenas para este dia.

O Brasil é um país onde mulheres têm que passar por diversas situações violentas e desonestas todos os dias, afinal, os índices de feminicídios são extremamente altos, os casos de assédios e estupros são constantes, a desigualdade salaria é latente, e a violência doméstica e suas diversas formas só aumentou com o início da pandemia, pois as mulheres acabam ficando mais tempo em casa com seus agressores.

E levando em consideração que muitas mulheres não conseguem sair de relações abusivas, por conta de dependerem financeiramente de seus parceiros, o empoderamento econômico é uma das principais ferramentas para ajudar mulheres a se libertarem de diversas situações.

E pautado nesse eixo, o empoderamento econômico, o Clube da Luta Feminina surge como uma ferramenta social de fortalecimento de mulheres que buscam ter uma renda extra ou independência financeira. Além disso, o projeto também incentiva a criação de micro empreendimentos a partir de tudo que é ensinado em suas oficinas.

O Clube conta com a participação de 10 mulheres e uma professora de artesanato, e possui como base de encontro o bairro Juá. Por conta de toda conjuntura econômica, social e ambiental que o bairro enfrenta desde o início da sua ocupação, a área foi escolhida para receber as oficinas de biojoias, pois possui muitas mulheres em situações que as expõe diretamente no âmbito econômico, ora, boa parte destas possuem em casa apenas a renda de seus maridos, e na ausência destes, apenas tem acesso aos benefícios sociais do Governo Federal.

 

Início das atividades e oficinas

O projeto iniciou suas atividades no último dia 6 de março, dividido em duas turmas de manhã e tarde, e sua programação iniciou com a distribuição de kits, visita de parceiras e início das aulas. 

A primeira oficina ofertada para as participantes é de Biojoias, onde serão ensinadas a produzir diversas peças, como: colares, brincos, pulseiras, e etc. A mesma tem como professora a artesã Maria Conceição, que conta sobre seu sentimento pelo primeiro dia, “O primeiro contato com as mulheres foi maravilhoso, elas se saíram super bem e ficaram muito animadas. Estou muito feliz com isso”.

Para além das oficinas de biojoias, uma segunda oficina já está sendo articulada, a de pinturas em camisas e bolsas. A ideia é disponibilizar também momentos de palestras para que essas mulheres possam estar informadas sobres diversos temas.

Para fortalecer ainda mais a vida de cada participante, parcerias com advogadas e psicólogas foram fechadas, para que elas possam estar amparadas de diversas formas. Outro ponto importante, é que o projeto disponibiliza recreação para as crianças de mães que não têm com quem deixar suas filhas e filhos para participarem das aulas. Ainda seguindo como ajuda, mensalmente é feito a doação de uma cesta básica para cada integrante do Clube.

 

Empoderando economicamente

A primeira forma de incentivar essas mulheres, foi com a doação de um kit de 3 alicates e tesoura para artesanato que é de cada uma delas, para que além de usarem nas aulas possam fabricar peças em suas casas.

E para que elas possam montar seus próprios negócios, além do kit doado, todas as peças que forem fabricadas ao longo das oficinas, serão vendidas nas redes sociais do Clube, o dinheiro será dividido igualmente para todas. Assim elas poderão ter uma renda para iniciar algum projeto pessoal.

Uma das coordenadoras do projeto, Odete Costa, conta o quão é importante essa iniciativa. “Saber que o projeto pode dar para essas mulheres uma opção de montarem seus próprios empreendimentos é maravilhoso, por isso procuramos ajudar com essas doações para que elas já tenham como iniciar seus projetos”.

A coordenadora reforça ainda que serão ofertadas capacitações informativas sobre como montar um empreendimento, importância de redes sociais para um negócio e saber o valor de suas produções. E ainda destaca que elas possuem a ideia de fazer uma feirinha para exporem as peças para venda.

 

Tocando o projeto em meio a pandemia

As atividades do projeto deveriam ser iniciadas no mês de janeiro, mas por conta do caos que se instalou na região devido ao Coronavírus, o Clube teve que adiar suas atividades presenciais e iniciar interações com as participantes apenas por grupo de whatsapp.

Após dois meses de adiamento, ao final do mês de fevereiro em conversa com todas as mulheres envolvidas no Clube, elas decidiram que já não dava mais para adiar as atividades. Com o bandeiramento e decreto permitindo o encontro de até 10 pessoas em um mesmo ambiente, as oficinas iniciaram.

Mas mesmo com o início das aulas, a consciência sobre a pandemia continua, diversas medidas foram tomadas para melhor funcionar o Clube. A primeira delas foi dividir a turma em dois turnos, 5 mulheres de manhã e 5 mulheres de tarde, o reforço na compra de máscaras e álcool gel também foi feito. E elas recebem instruções sobre cuidados e sobre não saírem de casa caso sintam algum sintoma gripal.

A coordenadora do projeto, Odete Costa, relatou que a necessidade de iniciar o projeto era grande, pois as mulheres precisam muito ter essa opção de renda para elas, principalmente devido a pandemia. “A gente sempre adiou quando foi necessário, e apesar de ainda estarmos em meio a pandemia, a necessidade das oficinas era grande por parte delas que precisam dessa oportunidade de terem uma renda própria, por isso avaliamos tudo e começamos seguindo todos os cuidados de proteção”.

 

O Clube da Luta Feminina conta com o apoio do Fundo Elas, que é outra iniciativa de apoio a projetos que pautam a ajuda e o fortalecimento projetos voltados para mulheres. Nós, do Tapajós de Fato, também somos parceiros do Clube, pois acreditamos que todas as mulheres devem ter oportunidade de serem independentes economicamente, e que principalmente tenham acesso a informações que possam as ajudar de diversas formas. Além dessas parcerias, o projeto conta com o apoio de outros parceiros da sociedade civil organizada.

Se você também tem interesse conhecer e ajudar o projeto, siga os perfis das redes sociais dele, lá você poderá acompanhar suas atividades e comprar as peças feitas por mãos de mulheres que juntas se movimentam para o fortalecimento de todas.

Um feliz dia da mulher!

 

 

Acesse as redes sociais do Tapajós de Fato: FacebookInstagram e Twitter.

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.