Segunda, 26 de Julho de 2021 18:01
093991489267
Amazônia Amazônia

#PL490Não: em Santarém, indígenas do Baixo Tapajós ocuparam a BR163 em protesto contra o Projeto de Lei 490/2007

Por volta das 7 da manhã indígenas ocuparam a BR163 em protesto contra o PL 490/2007 e o Marco Temporal, foram registrados muitos ataques contra os manifestantes por parte das pessoas que passavam na rua.

30/06/2021 17h12
Por: Tapajós de Fato Fonte: Tapajós de Fato
800
800

Hoje (30), indígenas da região do Baixo Tapajós realizaram mais um ato contra o Projeto de Lei 490/2007, um projeto que visa tirar da União a competência de demarcação das Terras, e abre caminho para a exploração de madeira, minério e avanço do agronegócio dentro dos territórios indígenas. Durante as últimas semanas centenas de indígenas de todas as regiões do Brasil estão no Distrito Federal lutando para a não aprovação desse Projeto de Lei no Congresso Nacional.

No dia 23 de junho os indígenas da região do Baixo Tapajós já haviam realizado um ato na região central de Santarém contra o PL 490/2007, hoje, mais um ato foi realizado contra o PL e em apoio aos indígenas que estão em Brasília, os indígenas pediam também a saída do governo Bolsonaro. A concentração dos manifestantes ocorreu embaixo do Viaduto, de lá iniciaram uma caminhada ocupando uma mão da BR163 (Santarém-Cuiabá) até o cruzamento com a Avenida Tapajós.

Durante todo o percurso do ato pacífico realizado pelos indígenas, inúmeros ataques eram direcionados aos manifestantes por parte das pessoas que passavam, ataques verbais, xingamentos gestos obscenos. Quando chegaram no cruzamento da Avenida Cuiabá com a Tapajós, os indígenas fizeram algumas falas, em seguida um ritual, e para finalizar, incendiaram um caixão com a foto do Presidente Jair Bolsonaro e cartazes para legitimar toda insatisfação contra o atual governo e contras as políticas de retrocessos, tal como o PL 490/2007.

O cacique Brás Tupinambá, da aldeia São Francisco do Parauá disse ao Tapajós de Fato que a PL 490/2007 “ é uma lei que vai trazer sérios problemas para nós, essa é a nossa principal reinvindicação”.

A maior parte dos indígenas que estavam na manifestação eram jovens, a juventude indígena está preocupada com o seu futuro e com o futuro do seu território. Em entrevista ao Tapajós de Fato a indígena Ian Dara Tapajós, da Aldeia Caridade, povo Tapajó, disse que participa desde muito nova do movimento, “e não é de hoje que a gente vem percebendo essas ameaças ao nosso território, já tivemos crédito de Carbono, a negação de uma Terra Indígena. A importância desse ato é porque esse projeto vai afetar tudo, a gente vai ter nossos filhos, vamos ter nossos parentes que estão aqui que não vão ter onde pescar, nossa terra vai se acabar, minério vai estar tudo livre à exploração e a gente não quer isso, o nosso território e a nossa Mãe Terra é preciosa para a gente. Então, a gente não aceita. A gente está aqui em apoio aos parentes indígenas que estão lá em Brasília diretamente com os parlamentares, com a deputada Joênia Wapichana, mais próximo dos governantes do país, a gente estar aqui dando apoio, dando força para que essa PL não passe” contou.

Acesse as redes sociais do Tapajós de Fato: FacebookInstagram e Twitter.

 

Acesse ainda o Podcast Tapajós de Fato.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.