Segunda, 27 de Setembro de 2021 00:54
093991489267
Dólar comercial R$ 5,33 0%
Euro R$ 6,25 -0.001%
Peso Argentino R$ 0,05 +0.049%
Bitcoin R$ 268.773,25 +2.269%
Bovespa 113.282,67 pontos -0.69%
Amazônia Amazônia

ALERTA! A Amazônia pode virar savana

Se a floresta amazônica perder de 3% a 8% pode chegar a um ponto em que não será mais possível recuperar o bioma original.

04/09/2021 14h05 Atualizada há 3 semanas
Por: Tapajós de Fato

O desmatamento desenfreado da floresta, seja apenas para extração de madeira, implantação de projetos como mineradoras, hidrelétricas, pecuária, plantio de grãos em larga escala e as queimadas e garimpo, a cada dia, aumentam as áreas devastadas e estão levando Amazônia para um caminho sem volta, a savanização.

Segundo pesquisadores do INPE (Instituto Brasileiro de Pesquisas Espaciais), se a floresta amazônica perder de 3% a 8% pode chegar a um ponto em que não será mais possível recuperar o bioma original, gerando consequências drásticas para a floresta e quem depende dela para sobreviver (animais e seres humanos). 

O ambientalista Miguel Scarcello, secretário-geral da ONG SOS Amazônia, estabelecida no estado do Acre, afirma que, de fato, este risco é muito elevado atualmente. O pesquisador fala que muitos estudos feitos para observar a situação da Amazônia, consideram apenas as áreas totalmente desmatadas, não põem em questão áreas onde se retira uma árvore específica. E isso pode deixar a situação ainda mais crítica.

 

O que pode acontecer?

 

Scarcello diz que os impactos serão muito grandes. Pode haver um período de seca muito mais extenso e severo, com ocorrência esparsa de chuvas, e, consequentemente, uma grande redução de água no lençol freático e um efeito direto na oferta de água nos rios. Este é o mecanismo lógico que a gente pode prever".

O ambientalista diz que todos os impactos serão negativos, poderá ocorrer deslocamento em massa de espécies, que alterará o processo natural de floração e fecundação. Isso interferirá diretamente na vida das pessoas que dependem dos recursos da floresta para sobreviver, como os extrativistas, pescadores, populações indígenas e as demais populações tradicionais da floresta amazônica.

 "Se levarmos em consideração que há um processo de degradação florestal muito intenso, em uma taxa anual de desmatamento de 10 mil km², acontecendo por conta de outras maneiras de intervenção, não só o desmatamento, podemos acelerar esse efeito de savanização sem perceber, o país poderá completar o processo de savanização da floresta em 30 anos.", avisou o ambientalista.

A situação fica ainda mais agravada devido às tentativas do governo brasileiro de “deixar a boiada passar”, tentando aprovar projetos para explorar recursos minerais em áreas indígenas e até mesmo acabar com muitas terras indígenas com o PL 490 e o Marco Temporal.

 

O pode ser feito para reverter a situação?

 

Para que a situação seja revertida é preciso haver uma mudança de postura política. “Precisamos de determinação política e consciência das populações e dos atores locais de que é necessário parar esse processo da maneira como tem sido feito", disse Scarcello. 

O especialista aponta uma série de medidas que precisam ser tomadas, tais como: “plantio de plantio de cacau, açaí... Tudo isso possibilita a restauração e, consequentemente, a desaceleração desse processo de savanização". Ele fala ainda que o ideal era realizar um reflorestamento de 20 mil km² por ano na Amazônia.

"É necessário que haja um investimento intenso nesse sentido, com a paralisação de todas as iniciativas de derrubada da floresta. Acredito que isso possa ser feito de uma maneira decrescente, em um processo sucessivo, reduzindo ano a ano a área de desmate e incrementando cada vez mais a área reflorestada", disse Scarcello.

 

Acesse as redes sociais do Tapajós de Fato: FacebookInstagram e Twitter.

 Acesse ainda o Podcast Tapajós de Fato

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.