Quinta, 26 de Maio de 2022
Amazônia Denúncia

Draga de garimpo é vista próximo a cidade de Santarém

Este não é o primeiro registro de dragas de garimpo próximo a cidade, testemunhas informaram não ter avistado nenhuma pessoa dentro da embarcação.

11/03/2022 às 17h15 Atualizada em 11/03/2022 às 17h24
Por: Tapajós de Fato Fonte: Tapajós de Fato
Compartilhe:
Foto enviada para o Tapajós de Fato
Foto enviada para o Tapajós de Fato

Na manhã desta sexta-feira, 11 de fevereiro, moradores do PAE Lago Grande denunciaram ao Tapajós de Fato, a existência de uma  draga de garimpo ancorada na região do igarapé Jari do Socorro.

 

Testemunhas informaram não ter avistado nenhuma pessoa dentro da embarcação, apenas alguns cães. Uma  pessoa foi avistada  próxima a draga, embaixo de uma árvore, que, segundo os relatos, parecia estar fazendo vigia ao local.

 

 

Não é a primeira vez que o Tapajós de Fato recebe denúncia de dragas de garimpo no Tapajós. No dia 19 janeiro  outra balsa  foi vista subindo o rio Tapajós. Confira o vídeo:

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por #TapajósDeFato (@tapajosdefato)

As atividades de garimpo  no rio Tapajós têm causado destruições consideradas irreparáveis por especialistas ao meio ambiente e as populações tradicionais e indígenas que dependem do rio e das florestas  destruídas para exploração do ouro.

 

Nos primeiros dias do ano de 2022 o mundo voltou os olhos para a situação do rio Tapajós, que até então tinha suas águas azuis  passou  a apresentar uma coloração barrenta, parecida com a cor do rio amazonas, devido a turbidez  causada pela lama que desce o rio  após destruição de barrancos nas margens  e da dragagem do  leito do rio Tapajós e seus afluentes em busca de ouro. 

 

O problema só chamou a atenção porque a lama chegou na vila de Alter do Chão, considerada o “caribe brasileiro”,  destino de   turistas de todas as partes do mundo que vem conhecer a Amazônia. Há anos as populações do Tapajós sofrem com o garimpo, mas pouco vinha sendo feito para reparar os danos.

 

No mês de fevereiro a Polícia Federal deflagrou a operação “Caribe Amazônico”, para  coibir atividades de garimpo ilegal, responsáveis pela turbidez das águas do rio Tapajós. A ação da PF não agradou aos garimpeiros nem o deputado federal do Pará, José Priante (MDB). No dia 16 de fevereiro, garimpeiros   protestaram e bloquearam a sede do ICMBio (Instituto Chico Mendes de Biodiversidade), no município de Itaituba, no Pará. Já o deputado  falou em entrevista para ao Estadão que  a operação contra o garimpo ilegal é uma “cena hollywodiana”, constestando a ação da PF.

 

 

Priante é primo do governador do Pará, Hélder Barbalho, também do MDB, que instituiu o “DIA DO GARIMPEIRO” no Pará.

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.