Quinta, 26 de Maio de 2022
Educação Reivindicação

Professores do município de Belterra entram em greve cobrando o pagamento do Piso Salarial

Desde janeiro os profissionais tentam negociar. O prefeito do município se nega a pagar o reajuste de 33,24%, sua proposta é de apenas 18%, a categoria não aceita, querem o valor total.

26/03/2022 às 14h21
Por: Tapajós de Fato
Compartilhe:
Professores do município de Belterra e frente a prefeitura do município. Foto: Reprodução/Sintepp Belterra
Professores do município de Belterra e frente a prefeitura do município. Foto: Reprodução/Sintepp Belterra

 

Professores da rede pública  do município de Belterra, região metropolitana de Santarém cobram o pagamento do Piso Salarial. O reajuste feito pelo governo federal em fevereiro de 2022 para a categoria foi de 33,24%, no entanto, o prefeito de Belterra pretende fazer reajuste de apenas 18%.

 

Heloíse Rocha, coordenadora do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras em Educação Pública do Estado do Pará, Subsede Belterra (SINTEPP), conta ao Tapajós de Fato que nos dias 24 e 25 de março, cerca de 100 professores se reuniram  no município para manifestar posição contrária a proposta do prefeito e cobrar o valor total do reajuste.

 

Segundo Heloíse, no dia 24 os professores realizaram “uma carreata, por volta das 16 horas, pelas principais ruas da cidade” e se concentraram em frente ao prédio da prefeitura.

 

A categoria considera que 18% é uma “proposta imoral” e não vão aceitar, a coordenadora conta que o Sindicato vem tentando negociar desde o mês de janeiro. Foi formado mesa de negociação, “depois foi formado uma comissão com professores também de fora do sindicato para conversar  e na penúltima reunião dessa comissão a secretária [de Educação]  falou que havia viabilidade”. Por conta do posicionamento da Secretária de Educação, os profissionais recuaram, “abrindo mão do retroativo de janeiro e fevereiro", negociando para receber mais adiante quando houvesse mais repasse do Fundeb.

 

Heloíse conta que há divergências de narrativas, pois a Secretária de Educação “informou que poderia pagar, que tem o recurso, porém, o prefeito Macedo disse que não pagaria por conta do índice de folha que iria aumentar” e então disse que pagaria apenas 18%. A situação indignou a categoria, “pois o recurso vem para pagar especificamente os professores, não se retira de um outro local”, disse Heloíse Rocha.

 

 

Segundo informações repassada pelo Sintepp, o prefeito fala que vai descontar  nos pontos e “de forma ilegal, está contratando pessoas para colocar no nosso lugar”.   O Sindicato conta ainda que a greve deixou de ser apenas dos professores, “ os pais estão do nosso lado, alguns pais não estão mandando seus  filhos para as escolas em  respeito e sabem que a nossa greve é legítima”. Alunos e pais também participaram da carreata realizada no dia 24 de março. 

 

No dia 25 de março, cumprindo a agenda de greve, foi realizado um panelaço na frente da Prefeitura de Belterra e  na tarde os profissionais se reuniram para produzir material para o próximo ato que deve ser realizado na segunda-feira, 28.

 

 

Após as manifestações, a Secretária de Educação “já sinalizou, marcando reunião com a categoria”. Heloíse Rocha finaliza contando que “os professores querem negociar para voltar o mais rápido possível para a sala de aula, porque a gente sabe que a greve é um caminho extremo e o que nos levou a isso foi o prefeito. Essa é a nossa luta, essa é a nossa pauta e é só ele sinalizar que vai pagar os 33,24% que a gente volta para a sala de aula”.



*Imagens, Acervo pessoal da entrevistada.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.